Garoto de um ano e oito meses precisa de doador de medula óssea em Jaraguá do Sul

Nicolas precisa do transplante para garantir que a doença não volte

A vida de uma família de Guaramirim mudou por completo quando Nicolas Fernando Henrique Leite, de um ano e oito meses, foi diagnosticado com um tipo de leucemia comum em adultos, em maio deste ano.  Após passar por um forte tratamento de quimioterapia e mais de dois meses de internamento em Joinville, o pequeno continua à espera de um doador  de medula óssea compatível.

A batalha começou com uma infecção no ouvido, em fevereiro. A mãe, Anisia Leite, conta que ele tratou a infecção, mas que ela voltou a aparecer. Depois de diversos exames, foi constatado que 87% das células de Nicolas eram cancerígenas.  Nicolas foi transferido para Hospital Materno Infantil Dr. Jeser Amarante Faria, em Joinville, e começou as sessões de quimioterapia.

Neste período de internação, a mãe teve que sair do emprego, os irmãos, Theylor e Rafael, foram morar com uma tia e o pai, Fábio Fernando, continuou trabalhando para manter a casa. E todos se mudaram para Jaraguá do Sul.  Segundo Anisia, foram momentos difíceis, pois Nicolas teve todas as reações possíveis durante as quatro sessões de quimioterapia.  O garoto deveria ter realizado seis sessões, mas parou na quarta por causa de um problema cardíaco que estava desenvolvendo.

– A doença de Nicolas é comum em adultos, por isso, a quimioterapia é muito severa. Ele passou de 13 para nove quilos.  Durante um mês, ficou se alimentando pela sonda ou injeção de alimentos na veia e teve hemorragia interna – relembra a mãe.

Agora, Nicola engordou e voltou a ser o menino alegre de antes. O quadro da doença está estável, mas a mãe do garoto destaca que é comum a doença voltar a atacar o organismo da criança até os cinco anos. Por isso, a luta para encontrar o doador compatível.

– O Nicolas ainda não está cadastrado no Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea (Redome). Peguei os resultados nesta semana e, na próxima segunda-feira, iremos descobrir se somos compatíveis, mas é importante  as pessoas realizarem o cadastrado porque se não ajudarem Nicolas, podem ajudar outras pessoas – explica.

Baixa nos cadastros

Depois que o menino Henrique Nietzke, de três anos, encontrou um doador de medula óssea, os cadastros na unidade do Hemocentro de Santa Catarina (Hesmosc) de Jaraguá do Sul reduziram. A responsável, Raquel Aparecida Ribas, conta que o habitual eram de dez a 25 cadastros por dia, mas, atualmente, os registros não passam de seis por dia.

– É importante que as pessoas continuem se cadastrando. Temos cinco pessoas da região que precisam de doadores. Fora as pessoas pelo Brasil e mundo a fora – afirma.

Na próxima terça-feira, Henrique Nietzke irá  realizar o transplante de medula óssea. O doador é da Alemanha. A mãe de Henrique, Sandra Regina Fridrich Neitzke, contou que o filho passou por todos os exames e realizou mais uma sessão de quimioterapia, mas está reagindo bem ao tratamento.

Para ser um doador, é necessário realizar um cadastro no Hemocentro. A unidade jaraguaense fica anexa ao Hospital São José e atende das 7 às 16 horas.  A pessoa deve ir à unidade e retirar uma senha para aguardar o atendimento. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (47) 3055-0454.

Por Chayenne Cardoso – Diário Catarinense

Comentar

Comentários

Júnior Silva

Posted by Júnior Silva

Júnior Silva, natural da Ilha da Magia, além de um apaixonado por Santa Catarina, é diretor de projetos na agência de marketing digital Casanobre Dgital e colaborador do Blog Amigo de Viagens, da página Viva a Bela e Santa Catarina. Graduado em Sistemas para Internet, também é guitarrista e fã incondicional de Raul Seixas e Aerosmith. Por incrível que pareça, não curte games (wtf?), mas é viciado em South Park, o desenho animado mais politicamente incorreto do universo.